Busca

cafe do elefante

arte e entretenimento

Stan Getz & Joao Gilberto – Getz/Gilberto (1963)

Anúncios

Let it be = dane-se

comida (OUÇA NO VOLUME MÁXIMO)

Uma das mais relevantes canções do nosso país, senão a mais enigmática em todos os tempos. Certamente a última reunião de TODOS os TITÃS em Grande Estilo!!!

Segue a letra pra garotada sacar…

COMIDA

Bebida é água!
Comida é pasto!
Você tem sede de quê?
Você tem fome de quê?
A gente não quer só comida
A gente quer comida
Diversão e arte
A gente não quer só comida
A gente quer saída
Para qualquer parte
A gente não quer só comida
A gente quer bebida
Diversão, balé
A gente não quer só comida
A gente quer a vida
Como a vida quer
Bebida é água!
Comida é pasto!
Você tem sede de quê?
Você tem fome de quê?
A gente não quer só comer
A gente quer comer
E quer fazer amor
A gente não quer só comer
A gente quer prazer
Pra aliviar a dor
A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer dinheiro
E felicidade
A gente não quer
Só dinheiro
A gente quer inteiro
E não pela metade
Bebida é água!
Comida é pasto!
Você tem sede de quê?
Você tem fome de quê?

Uma ilha na lua?

MIUDEZAS DE PENSAR * Tiny little things of thinking

MIUDEZAS DE PENSAR

penso que esse lindo poema trata da fragilidade humana e sua força inútil diante da beleza esmagadora da vida. De como lhe dar com o medo e o desejo durante sua  irrevogável luta contra o tempo.

Rodin
Escondo o mundo nos músculos do peito... 
Enrolados neste barulho, somos sons intermináveis!
ruidosos, porque vitrais se quebram,
Ou é esse mundo de vidro que balança demais.

Alimento a fé com miudezas...
Espanta-me as preces decoradas!
Decorei,  porque não acredito,
ou acreditando juntei memórias?

Engravido de fluidos que viram gente,
e de versos enfileirados que nunca pedi...
Possuo dons porque mereço,
ou por não merecer me tornei quem não sou?

Seguro a paciência num fio sem limites,
admirando caminhos que jamais se encontraram....
Encontro, porque espichar deixa sobras,
ou porque estirada me alcanço do outro lado?

Espreito o que é meu, desejo o que não sinto falta.
Maravilhas de pequenas criações...
Inventadas porque sou “querente”,
ou porque pensamento é descoberta de sonhador.

Ana de Lourdes Teixeira - Março,2017

Ver o post original

Sereia… (Renato Fernandes)

O Rei da Ralé…

 

O Rei da Ralé
(Renato Fernandes)
Eu nunca fico sóbrio, se eu tiver algum vintém…

beber é um bom negócio, pra quem quer esquecer de alguém…

eu nunca achei a cura, pra minha solidão

dos amores que eu tive, só ficaram feridas no meu coração…

desde então…

Eu vivo na noite, eu sei como ela é,

eu sou o rei…

eu sou o rei da ralé…

Eu vivo na noite eu sei como ela é,

eu sou o rei da ralé…

Eu ando a tóa pela noite,

até o sol descrutinar a madrugada

eu volto pra casa tranquilo,

com a minha alma lavada, eu…

vivo na noite sei como ela é,

eu sou o rei…

eu sou o rei da ralé…

{Eu vivo na noite eu sei como ela é,

eu sou o rei… o rei da ralé… (3x) }

O Rei da Noite, é um filme brasileiro de 1975

rei-da-noite

 

Década de 1920, família paulistana tradicional arruinada pela doença mental do pai, até a velhice decadente. Quando jovem, se enamorara de Ana, também moça de família, mas o casamento não aconteceu porque os pais dela a internaram num sanatório por problemas de saúde.

Desiludido, vai estudar e trabalhar com o tio mas logo abandona tudo se entrega para a boêmia paulistana, vivendo um caso com Pupi, prostituta e cantora de cabaré que se apresentava como “A rainha da noite”.

Ao mesmo tempo ele conhece três irmãs filhas de Dona Sinhá, uma amiga da mãe, e acaba se casando com uma delas, ao tentar voltar a uma vida tranquila. Mas passa a sofrer com os ciumes, humilhações e inseguranças da esposa.

Vamos celebrar!!!

Blog no WordPress.com.

Acima ↑